Santa Catarina, Argentina e Paraguai se unem para construir uma nova rota para o transporte de milho. O grão produzido no Paraguai poderá abastecer as cadeias produtivas de suínos, aves e leite em Santa Catarina. Esse será o tema do Encontro Transfronteiriço da Rota do Milho, que acontecerá nesta sexta-feira e sábado (15 e 16), na cidade de Encarnación, no Paraguai.

Grande produtor de carnes e leite, Santa Catarina se tornou também o maior importador de milho do país. Todos os anos são mais de três milhões de toneladas do grão que saem do Mato Grosso, Goiás e Mato Grosso do Sul para abastecer as cadeias produtivas de suínos, aves e leite em Santa Catarina. A nova rota pode encurtar as distâncias percorridas pelo grão e dar mais competitividade para o agronegócio catarinense.

A intenção é que o milho saia do Paraguai, siga para Argentina (passando pela Provincia de Misiones em direção a Bernardo de Irigoyen) e chegue até Dionísio Cerqueira. O custo no frete poderia cair em até 70%, o que daria mais sustentabilidade para o agronegócio de Santa Catarina. O secretário de Estado da Agricultura e da Pesca, Moacir Sopelsa, explica que essa é uma possibilidade real e que pode representar a continuidade do modelo econômico catarinense. “Nossa produção de milho é de 3,2 milhões de toneladas de milho e nosso consumo gira em torno de 6,5 milhões de toneladas do grão. Hoje para trazer milho do Mato Grosso pagamos mais no frete do que no grão, porque são em média dois mil quilômetros de distância, precisamos pensar em rotas alternativas que dêem mais competitividade para nossa cadeia produtiva”, ressalta.

Caso a Rota do Milho se concretize, o milho estará a 354 km de Dionísio Cerqueira, onde já existe um serviço de aduana, e a 555 km de Chapecó, maior centro de consumo do grão em Santa Catarina. Quase metade do trajeto feito pelos caminhões que trazem milho do Mato Grosso, por exemplo.

O secretário adjunto Airton Spies, que representará Santa Catarina no Encontro, afirma que da reunião sairá uma documento onde serão apontadas as etapas para viabilizar a Rota do Milho. “Hoje, Santa Catarina já traz milho do Paraguai, porém por uma rota mais longa, passando por Foz do Iguaçu, com muitas dificuldades aduaneiras, formação de longas filas de caminhões que atrasam e geram custos. Essa nova rota reduziria o tempo de transporte e o custo. Colocando o estado com uma vantagem competitiva para produção de carnes e leite”, destaca.

A organização do Encontro é do Bloque de Intendentes, Prefeitos e Alcades do Mercosul (BRIPAM) e do Núcleo Estadual da Faixa de Fronteira Santa Catarina (NFSC).

Informações adicionais:
Ana Ceron
Assessoria de Imprensa
Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Fone: (48)-3664-4417/ (48) 98843-4996
Site: www.agricultura.sc.gov.br
www.facebook.com/AgriculturaePescaSC/
JSN Boot template designed by JoomlaShine.com

Desenvolvimento: logo ciasc rodape | Gestão do Conteúdo: SAR | Acesso restrito