Na quinta-feira, dia 14, às 14 horas, a Estação Experimental da Epagri em Ituporanga (EEItu) lança o seu nono cultivar de cebola, o SCS379 Robusta, em evento de comemoração dos 35 anos de fundação da unidade de pesquisa e dos 28 anos da Epagri. Estarão presentes autoridades locais, regionais e estaduais, entre elas a presidente da Epagri, Edilene Steinwandter.

Cebola Robusta

A EEItu desenvolveu a cebola SCS379 Robusta para ser um cultivar mais tolerante às pragas e doenças, o que lhe proporciona menor necessidade de utilização de agrotóxicos e maior produtividade no cultivo convencional, orgânico ou agroecológico.

Foto: Divulgação/Epagri

A SCS379 Robusta é tolerante ao míldio, a principal doença dos cultivos de cebola no Sul do país. “Com a menor severidade da doença, o cultivar é mais produtivo que o padrão, sendo uma excelente opção para todos os sistemas de produção: convencional, Sistema de Produção Direta de Hortaliças (SPDH), produção integrada, orgânico e agroecológico” explica Daniel Pedrosa Alves, gerente da EEItu e um dos pesquisadores responsáveis pelo desenvolvimento do cultivar.

O ciclo superprecoce da Robusta é outra vantagem. Ele permite que a planta seja semeada por volta de 15 de abril e colhida já a partir de 20 de outubro. Assim, ela foge dos meses mais quentes do ano, quando o ataque do tripes – principal praga que ataca as plantações - é mais intenso. Para se ter uma comparação, a bola precoce, o cultivar mais plantado em Santa Catarina, tem ciclo que vai do início de junho até por volta de 20 de novembro.

Foram necessários cerca de 15 anos de pesquisas, desenvolvidas por engenheiros-agrônomos mestres e doutores da EEItu, para oferecer ao produtor catarinense o cultivar de cebola SCS379 Robusta. O trabalho atende a uma necessidade latente da agricultura catarinense, já que Santa Catarina é o maior produtor nacional de cebola e a hortaliça é cultivada basicamente por agricultores familiares. O Alto Vale do Itajaí reponde por mais de 70% da produção do Estado.

35 anos da Estação

O lançamento do novo cultivar de cebola vai servir para comemorar os 35 anos de fundação da EEEItu. A unidade de pesquisa nasceu antes da Epagri e era ligada à Empasc, empresa então responsável pela pesquisa agropecuária no Estado. Sete anos depois, a Empasc se uniu a outras instituições para fundar a Epagri, de cuja estrutura a EEItu passou a fazer parte.

Nos seus 35 anos de história, a EEItu vem atuando com forte foco na cebola, principal cultura da região. Nesse sentido, são trabalhados o melhoramento genético da planta visando à resistência a doenças e pragas, a produção orgânica, o desenvolvimento de cultivares híbridos adaptados às condições do Alto Vale do Itajaí, a implantação do Sistema de Produção Integrada de Cebola (SISPIC), tecnologias para o uso eficiente de nutriente e manejo do solo e o manejo convencional e alternativo de doenças.

Além da cebola, a unidade de pesquisa também atua no melhoramento genético da batata-doce, tendo desenvolvido seis cultivares, sendo três em conjunto com a Estação Experimental da Epagri em Itajaí. Sempre pensando na sustentabilidade, os pesquisadores da unidade desenvolvem tecnologias de manejo para o cultivo de hortaliças em ambiente protegido, tecnologias para racionalizar o uso de insumos e homeopatia, além de manejo convencional e ecológico de insetos praga.

28 anos da Epagri

O evento integra a programação comemorativa dos 28 anos de fundação da Epagri. A série de eventos de aniversário da Empresa segue por todo o Estado durante novembro, com lançamento de tecnologias, Dias de Campo, seminários, atividades de educação ambiental e outras, que vão apresentar à sociedade um pouco do trabalho desenvolvido nestas quase três décadas de extensão rural e pesquisa agropecuária em Santa Catarina.

O Estado catarinense foi o primeiro, e até hoje é um dos únicos, a reunir numa empresa os serviços de pesquisa agropecuária e extensão rural. A partir desse ato de ousadia e inovação se construiu uma história de sucesso. Hoje a Epagri é referência nacional e internacional em pesquisa e extensão rural. O conhecimento que produz é empregado não só em benefício dos catarinenses, mas também repercute no Brasil e no exterior.

Os cultivares de arroz, por exemplo, são utilizados em diversos países. O Sistema de Plantio Direto de Hortaliças (SPDH), criado e difundido pela extensão rural da Epagri, hoje é modelo de agricultura sustentável em nível nacional e internacional. Já existe maçã desenvolvida pela Epagri que pode ser produzida e vendida na União Europeia com royalties revertidos para Santa Catarina.

O sucesso da Epagri nesses 28 anos de existência se reflete na força do agronegócio catarinense. Santa Catarina é líder nacional na produção de maçã, cebola, moluscos e suíno, tem a segunda maior produtividade de arroz irrigado do país, é a quarta maior produtora de leite e de mel do Brasil, tudo isso ocupando apenas 1,1% do território nacional. Grande parte desse resultado se deve ao trabalho da Epagri, que com apoio e confiança dos agricultores, vem inovando para uma agricultura cada vez mais sustentável.

Serviço

· O que: lançamento do cultivar de cebola SCS379 Robusta e comemoração dos 35 anos da EEItu e dos 28 anos da Epagri

· Quando: quinta-feira, 14 de novembro, às 14h

· Onde: Na Estação Experimental da Epagri em Ituporanga - Est. Estrada Geral Lageado Águas Negras, 453

· Informações e entrevistas: Daniel Pedrosa Alves, gerente da EEItu

Informações para a imprensa
Gisele Dias, jornalista: (48) 99989-2992 / 3665-5147
Cinthia Andruchak Freitas, jornalista: (48) 36655344
Isabela Schwengber, jornalista: (48) 3665-5407

JSN Boot template designed by JoomlaShine.com

Desenvolvimento: logo ciasc rodape | Gestão do Conteúdo: SAR | Acesso restrito